Pular para o conteúdo principal

História do Filho da Puta



John Frederick Herring (1795 - 1865) foi um conhecido pintor de cenas esportivas e equinas, na Inglaterra. Em 1836, o autor do famoso quadro "Pharaoh's Charriot Horses", avaliado em mais de $500.000, acrescentou "SR" (Senior) à assinatura que apunha em seus quadros por causa da crescente fama de seu filho, então adolescente, que se notabilizou nessa mesma área. Apesar de nunca ter alcançado um valor tão elevado, um outro de seus quadros tem uma história bastante pitoresca.

Em 1815, com apenas 20 anos, Herring, o pai, como era tradição, imortalizou em um quadro a óleo o cavalo ganhador do St Leger Stakes, em Doncaster, na Inglaterra. Até aí, nada de mais. A grande surpresa é o nome do animal: Filho da Puta! É isso mesmo. Filho da puta.

Há pelo menos três versões sobre a origem desse estranho nome. A que parece mais plausível (e também a mais curiosa), dá conta que o embaixador português na Inglaterra, à época, era apaixonado por turfe e também por uma viúva com quem tinha um affair. Pois bem, algum tempo antes da pintura do quadro, o embaixador arrematou em um leilão de potros uma potranca à qual batizou de Mrs. Barnett, que era o nome da sua viúva. Mrs. Barnett (a égua), cumpriu campanha discreta nas pistas inglesas, sofreu uma lesão e não pode mais correr. O intrépido português, então, deu-a de presente a um seu amigo da corte, que era também criador de cavalos.

Passaram-se mais de 12 meses e neste período a viúva aplicou uma bola nas costas do pobre embaixador, mandando-se com um oficial da armada, bem mais jovem. O embaixador, claro, não gostou da traição, mas recolheu sua dor.

Num fim de semana seguinte, ele foi convidado pela amigo criador para uma visita ao haras, visto que "Mrs. Barnett" estava por parir. E lá se foi nosso herói. Efetivamente, Mrs. Barnett, a égua, pariu um lindo potro e o embaixador foi levado a examiná-lo. Era de fato um belo espécime eqüino. Como uma homenagem ao amigo, o Lorde inglês pediu que ele batizasse o potro com um nome típico de Portugal. O Embaixador, ainda engasgado com a perda de sua ex-amada, lascou-lhe o primeiro nome que lhe veio à mente ao ver o potrinho de pé: filho de Mrs. Barnett, só podia se chamar Filho da Puta. E foi assim que o ganhador do St Leger de 1815 passou para a posteridade. Não por ter sido um grande cavalo. Até que foi muito bom, mas não conseguiu dar continuidade a sua linhagem. Sumiu da história do PSI, mas sua pintura ganhou centenas de milhares de reproduções e hoje enfeita paredes em todos os países de língua latina. A gravura de Filho da Puta, em função de seu nome bizarro, transformou-se no maior best seller do turfe mundial.

Comentários

cristina disse…
alguém me pode ajudar e dizer em quanto mais ou menos pode estar avaliada uma dessas gravuras que está em preservada e emoldurada? obrigada!
Anônimo disse…
No site abaixo, sai por uns 90 reais.

http://casaequadros.com.br/gravura-classica-cavalo-filho-da-puta-52-5-x-42-5-cm

Postagens mais visitadas deste blog

E agora? Cheguei aos 40!

Quarenta anos! Como o tempo passou! É difícil acreditar. Você tenta não pensar no assunto, mas está lá, na sua carteira de identidade, na certidão de nascimento, a conta é simples, não tem como errar.

Quando menino, sempre ouvi falar "a vida começa aos quarenta". Mas, que vida? Quer dizer que até lá, nada vai acontecer? Ou será que este é pra ser considerado apenas um período de preparação para a felicidade que virá, uma etapa preliminar, que nem precisava ter acontecido, já que o jogo de verdade só agora vai começar?

Há muito gente ansiosa para lhe dizer que 40 é uma idade maravilhosa, todos com mais do que isso. Ninguém menciona que é por volta dos 40 que o seu fôlego para os esportes diminui; a recuperação de uma noite de farra leva mais de um dia; a disposição para o sexo não é mais a mesma; a paciência com os filhos acaba antes de começar; a música alta já não tem aquele efeito estimulante; os cabelos, se ainda estão na cabeça, começam a pratear; sair à noite pra janta…

Das drogas à loucura; Foucault inspira o "politicamente correto"

por Voltaire Schilling



originalmente publicado no Terra 

Michel Foucault foi um dos principais mentores da Revolução Cultural

De certo modo, tudo o que nos cerca hoje é subproduto da Revolução Cultural dos anos 1970, década de onde emergiu o "politicamente correto" e praticamente todas as políticas públicas que marcam a gestão social no Ocidente.

Um dos seus principais mentores ideológicos foi o filósofo francês Michel Foucault (1926-1984) que fundiu numa extravagante doutrina inspirada no anarquismo com as concepções de Nietzsche.

Instituições: espaços de opressão 
Para Foucault, as instituições que nos governam ou que nos assistem, sejam as dedicadas à saúde pública (hospitais, manicômios ou asilos), ao sistema prisional (casas de correção, reformatórios, presídios e cadeias), na recuperação de viciados (clinicas especializadas, ambulatórios de desintoxicação, etc.), ou voltadas para a educação (orfanatórios, seminários, escolas, universidades, centros técnicos, etc.) nada mais …