"De tanto ver triumphar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver prosperar a deshonra, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
Ruy Barbosa

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Demolição de valores, por Dora Kramer

Mantido o rumo pelo qual enveredou a campanha à Presidência da República o que se pode esperar dos próximos 18 dias até o primeiro turno e depois mais 20 antes da etapa final não é um clima emocionante típico das eleições bem disputadas, como pareceu quando Marina Silva entrou na competição.
Disputas pressupõem confrontações de argumentos, embates travados mediante a observância de determinadas regras. Pois o que temos no cenário desde que o governo decidiu mandar às favas os escrúpulos e fazer o diabo para tentar vencer as eleições não guarda a menor relação com troca de argumentos e muito menos com obediência a qualquer tipo de regra.
Por ora há uma perplexidade. Um pouco pela falta de cerimônia no uso de mentiras tão deslavadamente mentirosas, um pouco pelo fato de ainda haver um contingente disposto a acreditar nelas.
Daqui a pouco poderá haver um cansaço com a atuação de uma gente que mente e reiteradamente se desmente sem a preocupação de preservar a própria biografia ou respeitar a liturgia do cargo.
Além de candidata, Dilma Rousseff é presidente da República. Ao mesmo tempo em que ter certas prerrogativas que lhe dão vantagens inerentes ao posto, tem deveres decorrentes da função que a diferenciam dos demais concorrentes.
O grau irrepreensível "no que se refere" à compostura é um deles. O comedimento, a austeridade sempre invocada como uma de suas qualidades não autoriza sua chancela no uso de mentiras. Muito menos que se faça pessoalmente porta-voz delas. Embora não condiga com seu discurso de correção é o que vem fazendo.
A presidente está dizendo ao povo que governa que os adversários vão acabar com esse ou aquele benefício social, que vão tirar verbas da saúde e da educação, que empresários e banqueiros se regozijam com a fome do brasileiro, que o governo do PT combate como ninguém a corrupção.
Ainda que os adversários quisessem mesmo acabar com os benefícios, vender a Petrobrás, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, reduzir os investimentos em saúde e educação. De onde a presidente tirou isso se nunca disseram nada parecido? Da cabeça de seus conselheiros que a mandaram repetir tudo isso.
E o combate à corrupção? Tema evitado a todo custo pelo governo. Se fosse tão espetacular como se diz agora no horário eleitoral, o assunto já estaria muito antes entre os "grandes feitos" e não deixado para ser incluído quando começa a se fechar o cerco a respeito dos esquemas na Petrobrás.
Isso dito quando se viram tantos escândalos serem abafados. Sem contar o fato de a antiga cúpula do partido estar quase toda na cadeia por força de um julgamento tido pelo PT como produto de um "tribunal de exceção".
Nessa nova fase até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que andava meio arisco se animou a aparecer exercendo seu conhecido dom de iludir - quem quer ser iludido, bem entendido. No ato público desta segunda-feira, no Rio, onde se pretendia "abraçar" a Petrobrás, mas que o público presente não foi suficiente para um aperto de mão, Lula voltou a atacar o financiamento privado de campanhas. Disse que deveria ser crime inafiançável.
No mesmo dia circulava um e-mail do PT a empresários apresentando, em nome de Dilma, "a oportunidade de contribuir financeiramente para a campanha da reeleição da presidenta da República", no que a correspondência qualificava como uma "ação empresarial cidadã".
É de se imaginar que o governo queime pontes confiando que, reeleito, poderá reconstruí-las pelo poder que a vitória tem de curar feridas. Agora pensa exclusivamente nas eleições. Por dever de responsabilidade conviria pensar que além de uma eleição há um País a ser governado e que não merece assistir a tão completa e definitiva escalada de demolição de valores.

A reportagem censurada por Cid Gomes

No rastro do dinheiro da Propinobrás
Entenda como o esquema na Petrobras abasteceu o caixa de aliados do governo e conheça os novos nomes denunciados pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa na delação premiada
Mário Simas Filho, Sérgio Pardellas e Josie Jerônimo

Há duas semanas, uma equipe composta por integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público trabalha arduamente para detalhar como funcionaria o propinoduto instalado na Petrobras para abastecer políticos aliados do governo Dilma Rousseff. Até agora, eram conhecidos trechos da delação do ex-diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras Paulo Roberto Costa, considerado o maior arquivo vivo da República. Em depoimento à Polícia Federal, o ex-executivo da estatal entregou nomes de políticos e empresas que superfaturaram em 3% o valor dos contratos da Petrobras exatamente no período em que ele comandava o setor de distribuição, entre 2004 e 2012.

Já se sabia que dessa lista faziam parte figuras graúdas da República, como os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Henrique Eduardo Alves, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, João Vaccari Neto, secretário nacional de finanças do PT, Ciro Nogueira, senador e presidente nacional do PP, Romero Jucá, senador do PMDB, Cândido Vaccarezza, deputado federal do PT, João Pizzolatti, deputado federal do PP, e Mário Negromonte, ex-ministro das Cidades, do PP, e até o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no mês passado. No entanto, a relação de nomes entregue pelo ex-executivo da Petrobras é ainda mais robusta. ISTOÉ apurou com procuradores e fontes ligadas à investigação que, além desses políticos já citados, também foram delatados por Paulo Roberto Costa o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o governador do Ceará, Cid Gomes, e os senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e Francisco Dornelles (PP-RJ).

Na semana passada, as investigações avançaram sobre o rastreamento do dinheiro desviado. Os levantamentos preliminares já confirmaram que boa parte da lista de parlamentares e chefes de governos estaduais contemplada, segundo o delator, pelo propinoduto da Petrobras, tem conexão direta com as empresas envolvidas no esquema da estatal. Levantamento feito na prestação de contas registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela que cinco empreiteiras acusadas de participar do esquema este ano doaram quase R$ 90 milhões a políticos relacionados ao escândalo. Procuradas por ISTOÉ, as empresas envolvidas respondem em uníssono que as doações “seguem rigorosamente a legislação eleitoral”. A PF, no entanto, apura a origem dos recursos doados e se, além dos repasses oficiais, houve remessas ilegais. Suspeita-se que as doações eleitorais sejam usadas para lavar e internalizar o dinheiro depositado no exterior. Instada a colaborar, a Justiça da Suíça, país por onde circularam receitas provenientes de superfaturamento dos contratos da Petrobras, já deu o sinal verde para a cooperação.

A análise do mapa de distribuição do dinheiro para as campanhas de políticos ligados ao escândalo mostra que os repasses financeiros nem sempre guardam relação com o perfil econômico dos Estados. Essa constatação intriga a PF. É o caso de Alagoas, Estado do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), um dos personagens citados no testemunho do delator. Em uma unidade da federação em que as principais atividades são a indústria açucareira e o turismo, as empreiteiras contratadas pela Petrobras não têm nenhum interesse de investimento ou projetos no estado. Mesmo asism, abarrotaram o caixa de campanha de Renan Filho (PMDB), herdeiro político do senador. Cinco empresas relacionadas ao esquema entraram com R$ 8,1 milhões na campanha, o equivalente a 46,8% dos R$ 17,3 milhões arrecadados pelo diretório estadual do partido, presidido pelo parlamentar.

No fim de agosto deste ano, um cheque de R$ 3,3 milhões da Camargo Corrêa irrigou o caixa controlado por Renan. Para que os recursos não saíssem diretamente para a campanha do filho do presidente do Senado, o dinheiro foi pulverizado em campanhas de deputados estaduais de diferentes partidos que compõem a coligação formada em torno de Renan Filho. Partidos como PDT, PT, PCdoB e PROS dividiram os recursos. O senador reagiu indignado ao vazamento do acordo de delação e negou proximidade com a diretoria da Petrobras. “As relações nunca ultrapassaram os limites institucionais”, afirma o parlamentar alagoano. A Camargo Corrêa foi levada à investigação da PF pelo doleiro Alberto Youssef, responsável pela lavagem do dinheiro ilegal da Petrobras. Em uma mensagem interceptada, ele reclamou que adiantou dinheiro à empreiteira e que não sabia como cobrar a dívida, de R$ 12 milhões, por ser amigo de diretores da empresa.

As denúncias do ex-diretor da Petrobras, feitas no depoimento concedido ao juiz Sérgio Moro, especialista em lavagem de dinheiro, atingiram as duas principais autoridades do Poder Legislativo. Além de Renan, Costa também mencionou o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), como beneficiário do esquema criminoso. Alves viveu por semanas a pressão de submeter o deputado André Vargas (PT-PR), amigo do doleiro Youssef, às instâncias do conselho de ética da Casa. Agora, ele próprio se vê envolvido na incômoda lista de políticos apontados pelo delator. Alves nega ter recebido recursos de Paulo Roberto Costa, mas, a exemplo de Renan, tem a campanha abastecida por empresas situadas no epicentro do escândalo. Henrique Eduardo Alves lidera a corrida ao governo do Rio Grande do Norte. Até agora, recebeu R$ 6,7 milhões de três empreiteiras apontadas no esquema de desvio de verbas da estatal. A relação do presidente da Câmara com a Petrobras é antiga. Sua influência nos quadros da estatal alcança desde grandes postos no Rio de Janeiro até a gestão da Refinaria Clara Camarão, no seu Estado. Só para alojar um apadrinhado na refinaria, o presidente da Câmara ordenou em 2012 a constituição de uma nova gerência de serviços especiais. Trata-se de Luiz Antônio Pereira. Um ano antes, a refinaria Clara Camarão havia passado por um pente fino do TCU e o tribunal encaminhou a auditoria para o Ministério Público, com o objetivo de esmiuçar indícios de superfaturamento e contratos sem licitações que marcaram a gestão da obra.




Incluído também na lista do ex-diretor da Petrobras, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) viu brotar na conta bancária do diretório partidário que preside em Roraima recursos provenientes das empreiteiras citadas no esquema. A OAS, Andrade Gutierrez e UTC doaram, juntas, R$ 1,6 milhão ao projeto político do PMDB no Estado. O valor que as empreiteiras repassaram à sigla de Jucá é maior do que os recursos transferidos das empreiteiras para o PSB, partido do cabeça de chapa da coligação do PMDB: o comitê do candidato ao governo Chico Rodrigues, que tem o filho de Jucá, Rodrigo Jucá, como candidato a vice, arrecadou R$ 615 mil.

Em seu depoimento à PF, Paulo Roberto Costa revelou que as empreiteiras contratadas pela Petrobras eram obrigadas a fazer doações para um caixa paralelo de partidos e políticos integrantes da base de sustentação de Dilma. Seguindo o rastro do dinheiro, a investigação mostra que, até agora, as empresas contratadas pela Petrobras engordaram o caixa do PMDB em R$ 15,5 milhões. Enquanto os peemedebistas adotam um método pulverizado de doação de campanha, o PT é o que concentra a maior fatia do dinheiro das empresas citadas no escândalo. Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão, Engevix e UTC destinaram R$ 28,5 milhões à direção nacional do PT. À candidata Dilma Rousseff, R$ 20 milhões foram repassados pela OAS e outros R$ 5 milhões pela UTC.

A rede de corrupção guarda íntima relação com problemas de gestão identificados pelos órgãos de fiscalização na execução de outras obras de refinarias. No Maranhão, a pressa política do PT em apresentar a pedra fundamental da Refinaria Premium custou R$ 84,9 milhões à Petrobras. O lançamento foi feito sem o projeto básico e o consórcio de empreiteiras contratado atrasou o início das obras, pois os terrenos ainda estavam sub judice. Ainda no Estado maranhense, o filho do ministro de Minas e Energia, integrante da lista de Paulo Roberto Costa, e candidato do PMDB ao governo do Maranhão, Lobão Filho, recebeu para sua campanha R$ 500 mil da empresa Andrade Gutierrez. A PF apura ligações do candidato com a empresa fornecedora de material para a construção da refinaria, no município de Bacabeira. O ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau atua há muito tempo nessa área para a família do ex-presidente José Sarney (PMDB), pai da governadora do Maranhão, Roseana Sarney. Quando saiu do ministério, Rondeau foi trabalhar na Engevix, uma das cinco empreiteiras abraçadas pelo escândalo.

Recém-incluído na rumorosa relação do delator, o senador petista Delcídio Amaral também obteve recursos para sua campanha de empresas mencionadas como integrantes do esquema. A campanha de Delcídio ao governo de Mato Grosso do Sul recebeu R$ 622 mil da OAS, R$ 2,8 milhões da Andrade Gutierrez e R$ 2,3 milhões da UTC. Entre 2000 e 2001, Delcídio ocupou a diretoria de Gás e Energia da Petrobras. Com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para presidente, em 2002, ele se transferiu do PFL para o PT e apadrinhou a indicação de Nestor Cerveró, primeiro para a área de Gás e Energia, ocupada por Ildo Sauer, e, finalmente, para a área Internacional. Um dos depoentes da CPI da Petrobras no Congresso na última semana, Cerveró encontra-se no rol de investigados no escândalo da estatal. 

Outros três políticos que aparecem no escândalo receberam, direta ou indiretamente, dinheiro das empreiteiras acusadas de irregularidades nos contratos com a Petrobras. O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) foi agraciado com R$ 150 mil provenientes da UTC. Já o senador Francisco Dornelles (PP) obteve R$ 400 mil da Andrade Gutierrez e R$ 800 mil da Queiroz Galvão. À ISTOÉ, Dornelles admitiu que conhece Paulo Roberto Costa, mas, segundo o senador, não houve qualquer participação dele nessas doações. “Todas as doações recebidas pelo diretório do PP no Rio tiveram como origem empresas juridicamente aptas a fazê-las”, afirmou. O ex-ministro das Cidades Mário Negromonte foi contemplado com R$ 200 mil da OAS e R$ 100 mil da UTC. Na delação que fez à PF, Paulo Roberto Costa menciona ainda o governador Cid Gomes, do Ceará, com quem negociou a instalação de uma minirrefinaria no Estado. O projeto seria apenas uma fachada para um esquema de lavagem de dinheiro por meio de empresas que nunca sairiam do papel, conforme ISTOÉ denunciou em abril. “Não sei quem é Paulo Roberto. Nunca estive com esse cidadão e sou vítima de uma armação de adversários políticos”, disse o governador Cid Gomes à ISTOÉ na tarde da sexta-feira 12.

Quando a Polícia Federal iniciou as apurações, os investigadores tentaram abraçar um universo de temas. Sob a guarda do juiz federal Sérgio Moro, a PF buscava provas de crimes de evasão de divisas, contrabando de pedras preciosas e tráfico internacional de drogas, mas tinha dificuldade para amarrar uma linha de trabalho e caracterizar a ação de uma quadrilha. O acordo de delação do ex-diretor da Petrobras contribuiu, e muito, para apontar um rumo. Mas, para se livrar dos 50 anos de prisão que teria de pagar pelos seus crimes, Paulo Roberto Costa terá de trazer provas. Todos os políticos rechaçam as acusações do delator com o argumento de que não foram apresentadas provas. De fato, para que o depoimento do delator tenha relevância na elucidação da rede de corrupção, Costa terá de materializar suas afirmações. Pelo que se pode depreender até agora, as movimentações feitas com os recursos desviados da Petrobras abrangem o caixa formal dos candidatos, como mostra esta reportagem, e também dinheiro de caixa 2. No curso de seu trabalho para desvendar as tenebrosas transações, Sérgio Moro deu uma ordem: não quer depender de grampos ou suposições e vai fugir da “teoria do domínio do fato”, método que permeou o julgamento do mensalão, o maior escândalo de corrupção dos governos do PT. 


terça-feira, 29 de julho de 2014

O fim do Brasil, o vídeo censurado pelo PT


Olá. Meu nome é Felipe Miranda.

Há quase cinco anos, eu fundei, junto ao Caio Mesquita e ao Rodolfo Amstalden, a Empiricus Research, a primeira casa de pesquisa independente voltada a investimentos do Brasil.

Hoje, a Empiricus é referência em recomendações de investimento, contando com 200 mil leitores diariamente. Chegamos a um tamanho que nem nós mesmos aventávamos quando da criação da Companhia. Agradeço todos os dias por isso. Aos leitores e a nossos profissionais – seria impossível chegar aqui sem tamanhas competência e paixão. É a nossa vocação, de fato.

Talvez a esta altura você já conheça a Empiricus por conta de nossos serviços prestados nos últimos anos. Temos ajudado milhares de investidores a ganhar dinheiro com o cenário de queda da Bolsa brasileira desde nossa fundação, alta dos imóveis e comportamento volátil da taxa de câmbio.

Nós alertamos nossos leitores, por exemplo, a evitar as ações da Petrobras, pouco antes do início de seu derretimento. Também recomendamos vender ações de construtoras às vésperas de problemas emblemáticos de estouro de orçamento, parcerias mal feitas e de práticas que desrespeitavam os acionistas minoritários. Evitamos com isso prejuízos da ordem de até 90%.

Alguns de nossos leitores ficaram ricos apostando na queda das ações de Petrobras ou de grandes incorporadoras. Outros ganharam bom dinheiro seguindo a recomendação de comprar dólar a R$ 1,90.

Em outras palavras, nossos assinantes puderam lucrar mesmo num ambiente extremamente desafiador para o mercado de capitais. Que seja de meu conhecimento, não há uma única empresa de pesquisa e/ou consultoria no Brasil com histórico tão consistente de acerto em suas recomendações de investimento aos clientes.

Aqui cito apenas exemplos mais contundentes. Poderia perder um tempo enorme na lista de acertos. Mas eu não escrevo este texto para isso.


Faço referência à capacidade de fazer nossos assinantes ganharem dinheiro num ambiente difícil tão somente por uma questão: há tempos muito mais difíceis por vir. Projetamos a mais importante crise para o Brasil desde 1994. Ela está aí, batendo à nossa porta.


Só por isso eu tenho dedicado uma enormidade de tempo e dinheiro nos últimos meses preparando este material.

Em resumo, quero falar de um evento específico cuja ocorrência deve se dar num futuro bastante próximo, com implicações pronunciadas sobre as finanças de cada brasileiro e, até mesmo, sobre nosso modo de vida.

Esta esperada crise encontra suas raízes no colapso do sistema financeiro de 2008, cujo ápice é marcado pela quebra do centenário banco norte-americano Lehman Brothers e pelo consequente caos em Wall Street. Para tentar neutralizar impactos do tsunami externo por aqui, o Brasil abandonou os pilares tradicionais de política econômica e seguiu uma série de medidas heterodoxas, com implicações trágicas, conforme será visto um pouco à frente.


Para nosso caso, os problemas a ser vistos nos próximos meses serão muito piores do que os vivenciados em 2008. Se houve quem classificasse a crise de seis anos atrás como uma marolinha para o Brasil, desta vez não existirá espaço para qualquer metáfora parecida. Isso ficará claro em alguns minutos.


Adiantando um pouco, tão logo haja catálise do que eu projeto, teremos disparada da inflação, aumento destacado do desemprego, interrupção do crédito, maior endividamento da população e grande salto do dólar.

Acredite: o argumento aqui, conforme ficará evidente, é estritamente técnico. Não faço uma projeção sequer sem o devido embasamento, tampouco tenho a pretensão de assustar o leitor.

Tenho uma vida dedicada a investimentos e às recomendações financeiras. Comecei a investir em ações ainda aos 14 anos, por influência de meu pai – e também meu herói -, que era um grande investidor de Bolsa. Solidifiquei a prática com a teoria. Cursei Economia na USP e um mestrado em Finanças na FGV, de onde me tornei professor aos 26 anos. Criado em educação jesuíta, eu aceitei ao chamado da minha vocação e tenho me dedicado às finanças integralmente.


Fiz toda minha carreira profissional como analista de investimentos, para, então, fundar a Empiricus. Jamais colocaria uma vida construída sob os pilares da ética, do amor ao trabalho e da dedicação por conta de uma simples tese catastrofista.

Tudo que faço aqui é levar meu esforço de pesquisa dos últimos meses a uma conclusão lógica.

Eu fiz o mesmo quando alertei que as ações da incorporadora PDG, na época a R$ 9,00, atingiriam R$ 1,50. Rigorosamente o mesmo com Gafisa, Brookfield, Hering e Marisa. De novo, apenas alguns exemplos. Quando dos primeiros anúncios, ninguém levou a sério. A princípio, fui taxado de louco. O tempo provou de que lado estava a sanidade.

Já expus em oportunidades anteriores o grosso de meu racional, tanto a nossos leitores quanto em conferências de economia. Alguns ouvintes ficaram furiosos. Mas, veja: nenhum deles conseguiu refutar minha pesquisa, embora sejam incapazes, ao menos por enquanto, de aceitar a intensidade das conclusões previstas.

Por conta disso, antes de prosseguir com a leitura, faço um alerta a você:

As palavras a serem ditas aqui gerarão polêmica. Elas podem ofender bastante gente. Esquerdistas, direitas, petistas, tucanos e qualquer outra classificação semelhante. Com efeito, eu já recebi uma enxurrada de emails de ódio sobre minha tese.

Reconheço que, a princípio, as ideias e soluções a serem apresentadas podem parecer radicais. Talvez até mesmo antipatrióticas.

Minha sensação é de que, ao ler o começo desta carta, você dirá: “Não há espaço para isso acontecer. Não aqui. Não agora.”


Tenha um pouco mais de paciência. Respondo com o pedido de que prossiga até o final da argumentação. E lembre-se:

Ninguém acreditou em mim inicialmente quando eu alertei para os problemas das construtoras, a fragilidade do modelo de negócios das varejistas de moda, a dívida da Petrobras.

Ninguém também supunha que o dólar poderia ultrapassar R$ 2,10 quando ele estava a R$ 1,90 – em poucos meses, a taxa de câmbio voou a R$ 2,45.

Foi exatamente o que aconteceu. E é o que nos traz à data presente.

Os exatos mesmos problemas antes identificados para as empresas acima ou para nossa taxa de câmbio agora ameaçam a economia brasileira como um todo. Vou explicar exatamente como chegamos até aqui. Ficará claro como falamos de algo importante e crítico para você e para cada brasileiro.

A próxima fase desta crise vai afetar cada ponto de nosso modo de vida.

A poupança de milhões de pessoas será dizimada. A mudança vai afetar seus negócios e seu emprego. Veremos impactos dramáticos sobre as poupanças, os investimentos e as aposentadorias.

Além de outras implicações menores, mas também importantes. Os destinos de viagem serão alterados, a escola dos filhos pode ser revista, local e forma sua família faz compras talvez mude.

Mais especificamente, faço referência à volta de condições anteriores ao Plano Real. Os mais antigos sabem do tamanho do problema. Os mais jovens podem perguntar a seus pais.

Falo de inflação alta, perda da metade do poder de compra do salário ao longo do mês, congelamento de preços, problemas de desabastecimento, falta de produtos nas prateleiras, impossibilidade de planejamento por consumidores e empresários.

Vou explicar como cada um desses eventos vai ocorrer. Então você poderá decidir por você mesmo se há ou não embasamento em minha argumentação. De minha parte, eu nunca estive tão convicto a respeito dessa crise quanto de qualquer outra situação em minha vida.

Economia não admite experiências de laboratório. Erros cobram seu preço e as consequências são grandes. Obviamente, o mais importante aqui não é exatamente o que está acontecendo, mas sim o que você pode fazer a respeito.

Dito de outra forma, você estará preparado quando esta crise se materializar?

O que eu proponho neste material é mostrar a você exatamente aquilo que eu mesmo estou fazendo, para proteger e até mesmo aumentar meu próprio patrimônio, da mesma maneira que você poderá fazer.


Note que eu poderia, com quase 100% de certeza, afirmar que a maior parte dos brasileiros não estará preparada quando os preços de produtos básicos dispararem, seu acesso a crédito secar, bancos fecharem e seus cartões de crédito pararem de funcionar.

A forma de viver de cada brasileiro está prestes a mudar – isso eu lhes prometo. Nesta carta, vou mostrar exatamente o que está acontecendo.

Você pode questionar cada um de meus apontamentos. Ao final, vai perceber que estou certo em todas as alegações, uma por uma.

Então, você poderá julgar e decidir por você mesmo.

Daí, pergunta-se: você vai agir agora para proteger a si mesmo e a sua família da catástrofe econômica que está sendo formada?

Eu espero que sim. E é por isso que escrevo esta carta.

Vou levá-lo exatamente pelo caminho que eu mesmo estou seguindo pessoalmente, para que você, caso queira, possa segui-lo também. Infelizmente, não posso garantir que você sairá desta crise sem nenhum ferimento. Mas posso lhe assegurar que você estará muito à frente daqueles que não seguirem os passos propostos.

Peço desculpas. Estou apressando um pouco as coisas.

Deixe-me dar um passo atrás e mostrar, nos termos mais simples possíveis, o que está acontecendo, o porquê de tamanha preocupação e qual é meu prognóstico para os próximos 12 meses…


O Maior Problema desde o Início do Plano Real

Eu acredito que nós, como brasileiros, estamos prestes a observar um verdadeiro colapso no nosso sistema econômico, com desdobramentos relevantes sobre o cotidiano de cada cidadão.

Basicamente, há cerca de cinco anos, o Governo brasileiro mudou dramaticamente sua política econômica. Passamos a desafiar décadas de um conhecimento acumulado e consolidado em macroeconomia. Abandonamos o pilar ortodoxo para nos render à maior intervenção do Estado na Economia, a uma economia pautada no assistencialismo e ao estímulo excessivo ao consumo.

Qual o resultado? Falência das contas públicas e impossibilidade das famílias continuarem aumentando o consumo nesta velocidade.

Mais uma vez, aponto esses elementos a partir de meus conhecimentos em contabilidade e em finanças. Com o mesmo viés crítico que analiso empresa, observo as contas públicas e o balanço das empresas.

Veja, por exemplo, a questão mais simples associada à análise de uma companhia com ações listadas em Bolsa, a saber: sua capacidade de gerar caixa. Ou seja, quanto varia seu caixa, ponderado pelas mudanças na dívida evidentemente, ano após ano? Se uma empresa queima caixa de forma sustentada, sua própria existência em longo prazo está em risco. Dificilmente você compraria a ação de uma empresa que, resultado após resultado, queima caixa.

O Brasil, se entendido de forma análoga, tem queimado caixa de maneira sistemática. O total de suas despesas supera suas receitas. Pior ainda, a diferença em desfavor das receitas tem aumentado. O déficit nominal brasileiro, que mede esta relação, mira os 4% ao ano e as contas públicas tiveram em maio seu pior resultado da história, mesmo com uma contabilidade nacional bastante criativa e uma porção de receitas extraordinárias.

A sustentabilidade das contas do Estado brasileiro está em risco, como fruto de uma política deliberada de aumento dos gastos públicos.

Os empresários não confiam mais no Brasil e veem seu espaço ocupado pelo setor público. Há, inclusive, um termo técnico para isso: crowding-out.

Sem confiança, os empresários simplesmente não investem. É aquilo que se convencionou chamar de “espírito animal dos empresários”. A relação Investimento sobre PIB, que nunca foi uma maravilha, vem caindo de maneira consistente: depois de atingir o ápice de 19,5% no fim de 2010, recuou para apenas 18,1%.

Somente essa variação impõe impacto negativo da ordem de 0,5% na capacidade de crescimento do PIB.

Breve pausa para reflexão: há certo consenso entre os mais competentes economistas de que a variável-chave para o crescimento sustentável e de longo prazo, sem inflação, é o investimento. Isso porque, ao investir, o empresário aumenta sua capacidade produtiva à frente e pode responder a aumentos da demanda oferecendo mais produtos. Caso contrário, ou seja, sem investimentos, só pode responder com aumentos de preço.

Agora, pasmem!

Perguntada recentemente sobre as razões para o Brasil não crescer, a presidente Dilma respondeu da seguinte forma: “Eu não sei”.

Se não temos um diagnóstico, como poderemos sequer considerar um bom prognóstico?

Isso é absolutamente inacreditável, não é mesmo?

Entretanto, não se dá a devida publicidade ao fato.

Talvez você discorde sobre o quão ruim está a situação da economia brasileira. Eu respeito sua opinião. Peço, porém, que considere os seguintes pontos – todos os dez elementos estritamente factuais:

1 - O crescimento médio do PIB no governo Dilma, se confirmadas as projeções de consenso para 2014, deve ser de 1,8% ao ano. Veja: esse é o pior resultado desde o governo Collor. Temos a primeira evidência empírica e incontestável de que retornamos a condições anteriores a 1994. O gráfico abaixo resume a evolução recente da economia brasileira:



Há ainda de se pontuar que minha projeção de 1,3% para crescimento da economia brasileira em 2014 está entre as mais otimistas.

O Banco Santander, por exemplo, já estima evolução de apenas 0,9% neste ano, enquanto o brilhante economista Affonso Celso Pastore sugere pífio crescimento de 1% em 2014 – e de, acreditem, 0,8% em 2015.

“Mas este crescimento mais baixo desde a Era Collor não é resultado de uma conjuntura internacional desfavorável?”

A simples observação da imagem abaixo comprova a resposta negativa. O gráfico compara a evolução do PIB brasileiro nos governos Dilma, Lula, FHC, Itamar e Collor, contextualizando com o resto do mundo, os países emergentes/pobres e nossos vizinhos latino-americanos. Eis o resultado:




Até 2013, mesmo sem considerar o resultado pífio previsto para este ano, observamos o crescimento mais baixo desde a Era Collor.

2 - A inflação tem sido persistentemente alta e acima do centro da meta, de 4,5% ao ano. Simplesmente, temos ignorado esses 4,5% e observado, de maneira sistemática, uma inflação beirando o teto da meta.

A imagem abaixo ilustra bem o argumento:




Mas isso não é o pior.

As estimativas para a inflação oficial de 2014, conforme levantamento do próprio Banco Central junto a agentes de mercado, rondam exatamente os 6,50%, teto da meta. E até mesmo o Relatório Trimestral de Inflação, do nosso BC, projeta 6,40% para este ano, colado nos 6,50%.

Isso é particularmente problemático porque corremos um risco grande de estourar o intervalo da meta, ferindo a credibilidade do Banco Central e impondo um custo alto à sociedade.

A rigor, em 12 meses, já estamos acima da meta. No intervalo encerrado em junho, a inflação foi de 6,52%.

Para 2015, a situação não é muito diferente. A mediana das projeções dos economistas também aponta inflação próxima a 6,50%.

Não custa lembrar: o trabalhador é quem mais sente os efeitos negativos da inflação, ao ter o poder de compra de seu salário corroído pela escalada dos preços.

Sim, há coisas ainda mais desagradáveis a respeito da inflação. Já teríamos estourado o teto da meta não fosse pelo controle de preços. Ou seja, estamos artificialmente maquiando a inflação, ao represar alguns preços, com exemplos mais claros nos setores de energia e combustíveis.

Sem desonerações, a inflação ronda 8,50% ao ano.

O próprio governo admite controlar preços, sem nenhum tipo de constrangimento. Em entrevista à Folha de S. Paulo em 14 de maio, o ministro Mercadante reconheceu que o governo controla preços de combustíveis e energia elétrica.

O represamento de preços tem consequências conhecidas e desastrosas, como sugestão de maior inflação futura, desalinhamento de preços relativos e destruição de determinados setores.

O setor de etanol foi simplesmente destruído pelo controle deliberado do preço da gasolina. Veja o que diz matéria do jornal Valor Econômico, do dia 17 de junho de 2014:

“A indústria de etanol do Brasil enfrenta tanto pressões de aumento do custo da terra e da mão de obra, como tornou-se uma vítima não intencional do controle de preços da gasolina para frear a inflação, avalia a Agência Internacional de Energia.”

E completa:

“No Brasil, a AIE nota que o aumento da capacidade de produção de etanol estagnou, várias plantas foram fechadas e mais capacidade pode estar em risco.”

Quando todos achávamos que havíamos consolidado a política de combate à inflação, passamos a cometer erros triviais, com impactos gigantescos sobre a sociedade. Nem sequer estamos sendo criativos. Tivemos a proeza de resgatar erros antigos e com consequências conhecidas.

Esses dois primeiros pontos já seriam suficientes para provarmos o argumento do quão grave é o problema atual. Combinamos simplesmente baixíssimo crescimento econômico e inflação alta.

Temos, portanto, o mais negativo dos mundos, a chamada estagflação.

Mas, calma. Há coisas graves ainda pela frente, capazes de reforçar o prognóstico de algo simplesmente catastrófico para os próximos 12 meses. Falamos de inflação que pode chegar a 15% ao ano, forte redução do poder de compra, aumento do desemprego para 10% e interrupção súbita do crédito, com consequente dificuldade das famílias em arcar com suas obrigações financeiras.

Estamos prestes a observar concreta mudança em nosso cotidiano. Precisamos nos blindar.

Continuemos na nossa lista…

3 - As contas públicas estão completamente desajustadas, de tal sorte que o Governo brasileiro vai, em breve, encontrar grandes dificuldades para se financiar. Ou seja, as taxas de juro devem subir com vigor, impactando fortemente o orçamento das famílias e a capacidade de crédito.

Não há como brigar contra os fatos. Vemos uma clara deterioração das contas públicas brasileiras.

Nossa economia para pagar dívida e juros, o chamado superávit primário, foi, na média, de 3,1% do PIB no intervalo de 2001 a 2008, sem considerar aqui receita de dividendos e concessões.

Considerando agora o intervalo de 2009 a 2013, esse percentual caiu para 1,5% do PIB. Para 2014, devemos terminar com menos de 1% do PIB, algo que é, obviamente, insuficiente para estabilizar dívida bruta ou líquida.



Isso sem nenhum incremento significativo do investimento público. O que tem aumentado é o consumo do governo – esta métrica bateu 22% do PIB, o nível mais alto da série histórica iniciada em 1995.

Mais uma proeza notável ao Brasil: somos um dos poucos países do mundo em que essa variável supera o investimento.

4 - O resultado de nossas relações com o resto do mundo, que já era péssimo, fica cada vez pior. O chamado déficit em transações correntes, medida do saldo de nossas contas com o exterior sem considerar as movimentações de capital, vem crescendo sistematicamente e atinge níveis preocupantes.

Em maio, o déficit brasileiro em conta corrente montou a US$ 6,635 bilhões, o mais alto para um mês de maio em toda a série histórica.

O desempenho é inclusive pior do que projetado pelo próprio BC, em US$ 6 bilhões. Soma-se ao já delicado resultado apresentado até abril, conforme demonstrado por gráfico abaixo:



Qual o problema disso?

Para que não haja saída líquida de dólares do Brasil e perda de reservas internacionais, precisamos da entrada de moeda estrangeira por meio da conta de capital.

Por sua vez, a conta de capital possui, grosso modo, duas subdivisões: i) Investimento Estrangeiro Direto (IED); e ii) Investimentos de portfólio.

O ponto nevrálgico aqui é que o IED está inferior ao déficit em conta corrente. Portanto, para fechar nosso balanço com o resto do mundo, estamos dependendo do investimento em portfólio, que é muito volátil e sensível à menor das mudanças das condições da economia mundial.

Por enquanto, com o Brasil oferecendo um juro estratosférico e os Bancos Centrais mundiais mantendo juro zero, parece não haver grande problema.

Mas a situação está próxima de mudar. O Banco Central norte-americano deve começar a subir sua taxa de juro em 2015, voltando a atrair recursos para os títulos dos EUA hoje presentes nos mercados emergentes.

Neste momento, vai faltar dólar no Brasil. Teremos uma disparada da taxa de câmbio, com impactos diretos sobre a inflação, sobre os importadores e sobre as empresas com dívida em dólar.

Peço a devida atenção a este ponto. Em resposta à crise, o Banco Central dos EUA injetou uma quantidade cavalar de dólares no mercado. Conforme mostra o gráfico abaixo, os ativos totais do Fed saíram de US$ 869 bilhões em agosto de 2007 para US$ 4,3 trilhões em junho de 2014.



Ou seja, para voltar à normalidade histórica, o Banco Central norte-americano precisa retirar cerca de US$ 3,5 trilhões do sistema. As condições de liquidez vão mudar dramaticamente a partir de 2015.

5 - O mercado de trabalho se enfraquece em ritmo assustador.

A criação líquida de postos de trabalho em maio foi de 58.836, segundo dados do Caged. Trata-se do pior mês de maio desde 1992. Estamos com novo argumento de situação sem precedentes desde o Plano Real.

Isso não é coincidência.

Por que o desemprego, então, ainda não aumentou?

Simplesmente, por uma questão de forma de se medir. Só é considerado desempregado quem está procurando emprego, mas não encontra.

O desemprego não aumenta simplesmente porque as pessoas têm desistido de procurar emprego.

Tomo a liberdade de emprestar argumento do excepcional economista Alexandre Schwartsman para o fechamento do primeiro trimestre: a População em Idade Ativa cresce entre 1% e 1,5% ao ano (1,3% no trimestre em questão), enquanto a geração líquida de empregos foi próxima a zero.

Trocando em miúdos, só há redução da taxa de desemprego porque parcela da população simplesmente desistiu do mercado de trabalho, e não se pode atribuir o pleno emprego à competência da gestão pública.

6 - Estamos à beira do apagão.

Os analistas do banco Brasil Plural escreveram relatório recentemente apontando uma pequena chance de 100% de racionamento de energia ainda em 2014. De acordo com eles, o nível dos reservatórios chegará a 10% em novembro, a se manter o atual ritmo.

Isso é extremamente preocupante.

Para usar as palavras dos próprios analistas, “há um elefante político que não pode ser ignorado.”

Sejamos justos aqui. Há um único culpado para o nível tão baixo dos atuais reservatórios: São Pedro. Realmente, choveu muito pouco e ninguém detém controle sobre isso. Ponto final.

Agora, a falta de planejamento, a concentração da matriz energética e o impedimento ao aumento da capacidade de oferta de energia é culpa total e irrestrita do Governo.

Em setembro de 2012, foi anunciada a famosa MP 579, que alterou as regras para concessões de energia, com o objetivo de reduzir as tarifas de eletricidade – de novo, o tal controle de preços.

A medida destruiu a rentabilidade de empresas de energia, adicionou incerteza jurídica ao marco regulatório do setor e, portanto, afastou iniciativas em prol de novos investimentos.

Além disso, desrespeitou contratos existentes.

O exemplo de Cemig é emblemático. A companhia tinha concessões vencendo em 2015, com renovação automática prevista para mais 20 anos, conforme definido em contrato inicial.

Quando se fala em renovação automática de qualquer contrato, supõe-se, obviamente, preservação das mesmas condições iniciais.

Então, veio a MP 579 propondo condições completamente diferentes para a renovação das concessões, ferindo com clareza o pressuposto de “automática”.

O resultado foi a devolução, pela Cemig, das usinas de São Simão, Jaguara e Miranda, por não aceitar a aplicação das novas regras.

Ou há uma nova definição para o conceito de renovação automática ou houve quebra de contrato.

7 - A Petrobras foi simplesmente destruída.

O gráfico abaixo apresenta a evolução das ações da Petrobras nos últimos cinco anos. Ele fala por si só:


De uma máxima de R$ 40,00, as ações chegaram à mínima de R$ 12,57.

O patrimônio nacional sendo simplesmente reduzido a 1/3 de seu valor. Quem tinha R$ 40 mil em ações da Petrobras chegou à mínima de R$ 12.570.

Além de ser historicamente motivo de orgulho, Petrobras tem em sua base de acionistas milhares de brasileiros, de forma direta ou através da aplicação de seu FGTS.

Estamos mexendo com a poupança do cidadão comum.

Chegamos a essa situação simplesmente porque a empresa tem o preço de seus produtos controlado pelo Governo. Quando impede-se o reajuste de preço da gasolina, Petrobras se vê obrigada a comprar produtos por um preço superior a seu preço de venda.

O resultado? Queimas sucessivas de caixa, num momento em que a companhia tem um ambicioso plano de investimento para tocar, e explosão de sua dívida líquida.

Mais uma conquista para o Brasil: Petrobras hoje apresenta a maior dívida corporativa de todo o mundo. A evolução abaixo resume a questão.



8. Com inveja da Petrobras, a Eletrobras, outra estatal relevante, também foi destruída.

Eletrobras nunca foi exemplo de eficiência. A empresa é historicamente reduto do PMDB, possui rentabilidade sobre o patrimônio baixa e entra em projetos ruins, para atender anseios políticos.

Sempre foi assim. E a empresa, de uma forma ou de outra, se virava. Mas a situação degringolou a partir da MP 579 – a mesma que falei acima.

O gráfico abaixo traz a trajetória das ações de Eletrobras nos últimos cinco anos. Não é muito diferente de Petrobras:


A situação de Eletrobras é ainda mais complicado do que aquela apresentada acima para Cemig. A empresa também foi exposta a condições piores (e de baixíssima rentabilidade) para renovar concessões.

Mas, diferentemente de Cemig e de outros participantes de mercado, Eletrobras aceitou termos que implicavam retornos negativos para determinados projetos.

Isso porque era do interesse da União (principal acionista e que votou proporcionalmente às suas ações em Assembleia) manter as concessões pouco rentáveis.

A resposta foi imediata. Suas ações simplesmente derreteram em Bolsa.

Ultrajados com a questão, acionistas minoritários recorreram à CVM (regulador do mercado de capitais), basicamente dizendo que a União não poderia votar na Assembleia sobre o tema, por uma questão de conflito de interesse – o que me parece óbvio, não é mesmo? A União propõe novos termos, que só servem a ela mesma, e vota sobre a questão?

Assim diz o artigo 115, parágrafo 1 da Lei das S.A.s: o acionista deve exercer o direito de voto no interesse da companhia e será considerado voto abusivo aquele exercido com o fim de causar dano à companhia, aos seus acionistas ou a obter vantagem ou que possa resultar em prejuízos.

A adesão à renovação das concessões sob os termos previstos pela MP 579 trouxe benefício exclusivo ao controlador (o Governo) e prejuízo aos demais.

A União reagiu ao pedido dos minoritários.

Fez uma oferta bastante justa para compensar os danos bilionários: um evento sobre mercado de capitais, com a presença do ministro Guido Mantega.

E o pior: a CVM flerta com o aceite da proposta.

Pode parecer engraçado, mas somente para quem não é acionista de Eletrobras.

A prática inibe não somente investimentos nas ações de Eletrobras, mas também de outras ações do setor elétrico, além de inibir a confiança de empresários no segmento.

9. A indústria brasileira fica menor, a cada dia.

De novo, imagens valem mais do que mil palavras:


A produção industrial brasileira está simplesmente atônita. Isso num Governo que supostamente tinha uma política industrial explícita.

O tal Plano Brasil Maior, lançado em 2011, tinha objetivos muito bem definidos para 2014. Eram eles:

- aumentar a taxa de investimento dos 18,4% vistos em 2010 para 22,4% do PIB;
- elevar dispêndio empresarial de Pesquisa e Desenvolvimento como percentual do PIB de 0,59% para 0,90%; e
- diversificar a pauta de exportações, aumentando a participação brasileira no comércio internacional de 1,36% para 1,60%.

Pronto. Chegamos em 2014, o que nos dá a prerrogativa de analisar se atingimos os resultados.

A conclusão é assustadora. Não cumprimos nenhum dos três objetivos.

A relação Investimento sobre PIB não somente descumpriu a meta de 22,4%, como inclusive caiu frente ao ponto inicial. Dos 18,4%, batemos vergonhosos 18,1%.

Sobre o investimento em P&D, ainda não há dados muito atualizados. Mas pesquisas feitas para 2011 apontaram uma enorme subida da razão gastos em P&D sobre PIB de 0,49% para 0,50%. Alguém, em sã consciência, admitiria um crescimento dessa relação para 0,90% em três anos?

A respeito das exportações, a coisa fica ainda mais pitoresca. Não diversificamos nossa pauta, tampouco aumentamos nossa representatividade na corrente de comércio mundial. A participação dos produtos manufaturados nas exportações era de 39,4% em 2010. Passou a 38,7% em 2013. Tínhamos 1,35% da exportação mundial em 2010. Encerramos o ano passado em 1,29%.

A política industrial é um fracasso retumbante.

O Medo é Político Também

Os pontos acima resumem o tamanho de nosso problema econômico. Mas ainda preciso de, ao menos, uma menção honrosa à questão política.

Em entrevista recente ao Valor Econômico, Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, falou assim:

“O brasileiro gosta do seu país, gosta de morar aqui, de investir aqui. Mas o grau de incerteza hoje é tal que as pessoas estão pensando em investir fora do Brasil, estão pensando até em sair do Brasil. Há um medo que vai além da economia, é medo político também. Há uma sensação de medo que as pessoas não têm coragem de manifestar abertamente. Medo de uma atitude contra a liberdade de imprensa, contra a democracia.”

Há razão de ser nesse medo.

Não há nada mais antidemocrático e desrespeitoso à democracia quanto uma lista negra de jornalistas, a serem perseguidos pelo Estado e seus defensores.

Veja, então, texto recente publicado no site do partido do Governo:

“Personificados em Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes, Diogo Mainardi, Lobão, Gentili, Marcelo Madureira entre outros menos votados, suas pregações nas páginas dos veículos conservadores estimulam setores reacionários e exclusivistas da sociedade brasileira a maldizer os pobres e sua presença cada vez maior nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes.”

Tratam críticos como inimigos de guerra e convocam companheiros a lutar.

Há exemplos semelhantes na História daqueles que não respeitam a liberdade de imprensa e querem calar as vozes dissonantes.

Em 10 de fevereiro de 1933, Joseph Goebbels, responsável pelo marketing do Partido dos Trabalhadores Nacional-Socialista, alertou assim: “Um dia nossa paciência vai acabar, e calaremos esses judeus insolentes, bocas mentirosas!”

O resto da História todo mundo conhece.

O princípio democrático deve ser respeitado em sua integralidade.

Além de ferir o preceito da liberdade, qualquer recrudescimento dessa condição teria um resultado rápido e com consequências desastrosas: fuga de capitais, tanto de brasileiros remetendo seu dinheiro ao exterior quanto de estrangeiros preferindo outros mercados ao nosso.

Tudo isso trará consequências gigantescas antes do que as pessoas pensam. Para ser preciso, já está trazendo.

Os primeiros passos dessa crise estão em curso. Estão acontecendo justamente agora, bem em frente aos nossos olhos.

Desculpe, mas eu não consigo esgotar o tema em sua totalidade. A esta altura, porém, imagino que já tenha ficado claro que você precisa proteger seu patrimônio e aumentar sua poupança nos próximos anos.

Em poucos minutos, vou lhe mostrar exatamente como eu estou protegendo meu dinheiro, e o que eu recomendo que você também faça.

Antes, deixe-me mostrar exatamente como chegamos neste ponto…

A morte do Brasil aos 20 anos de idade

O Brasil, tal qual nós conhecemos hoje, nasceu em 1994, com a estabilização da economia.

Antes disso, tínhamos um outro país, em que famílias, amedrontadas com a inflação, corriam para o supermercado tão logo recebiam seus salários, empresários não investiam por conta da falta de confiança na moeda e da incerteza jurídica, consumidores não compravam porque a inflação era galopante e não existia crédito.

O Plano Real marca, inequivocamente, um novo Brasil. Com isso, até mesmo o maior dos radicais, de esquerda ou direita, há de concordar. A História começa em 1994. O período anterior era pré-História.

A implementação do Plano Real divide-se em três partes. A primeira marca o ajuste fiscal, com a criação do Fundo Social de Emergência e do Imposto sobre Movimentações Financeiras.

A segunda corresponde ao período da URV, caracterizado pela indexação completa da economia e alinhamento forçado de todos os preços relativos. Finalmente, a última transforma a URV em moeda, com a introdução do Real. Eis o impacto imediato do Plano:


A inflação desabou com o real.

Em paralelo, houve vigoroso crescimento econômico, sob empurrão da demanda reprimida, confiança nos negócios e recomposição dos salários reais.

O crescimento da economia em 1994 foi de 5,9%. A indústria andou muito bem e também a agropecuária, cuja evolução foi de 5,5%, rendendo-a o apelido de “âncora verde do real.”

O surto de crescimento durou pouco.

Para manter a inflação baixa, foi usada a chamada “âncora cambial”. O real foi forçadamente sobrevalorizado por meio de taxas de juros muito altas.

A consequência foi óbvia: baixo crescimento econômico e disparada das importações nos anos seguintes.

Para manter o câmbio apreciado e oferecer dólares ao mercado na taxa desejada, chegamos a perder US$ 1 bilhão de reservas internacionais por dia, durante vários dias.

Duas crises simultâneas como resultado: nas contas externas e nas contas públicas.

A semente da destruição estava plantada. O estouro do modelo era inevitável.

A resposta veio em 1999, quando inicia-se uma nova fase, marcada pelo famoso tripé macroeconômico. Abandona-se a âncora cambial, com o novo regime sendo detalhado em junho.

Ficaram definidos como elementos centrais da política econômica:

1 – câmbio flutuante;
2 – metas de superávit primário; e
3 – sistema de metas de inflação.

O tripé caracteriza o final do Governo FHC e também o primeiro mandato do Governo Lula.

Durante esse período, observamos dois ciclos de crescimento no Brasil. O primeiro veio do rali das commodities. O preço dos produtos que vendemos ao exterior ficou 40% mais caro frente ao preço dos produtos que compramos do setor.

É o que os economistas chamam de melhora dos termos de troca. Com 40% de ganho chegando de navio do exterior, pudemos distribui-los entre os cidadãos brasileiros.

E o segundo ciclo representou a explosão do consumo sob empurrão do crédito.

Qual o problema? Ambos acabaram.

As commodities andam de lado ou até mesmo caem desde a crise de 2008. E as famílias brasileiras, sem crescimento econômico, já muito endividadas e enfrentando juros muito altos, não conseguem mais crescer seu consumo.

Precisamos de um terceiro. Mas não há nenhum sinal de que ele vai acontecer. Ao contrário, o modelo está esgotado e as coisas tendem a piorar fortemente.

Precisamos agir antes disso.

Ficará claro para você nas próximas linhas.

Em resposta à crise de 2008, o Governo brasileiro abandonou o clássico tripé macroeconômico e adotou a chamada nova matriz econômica. Entre as medidas mais emblemáticas da nova política econômica, destaco:

- Aumento dos gastos públicos;
- Maior intervenção do Estado na Economia;
- Leniência no combate à inflação;
- Incremento da participação do BNDES, com estímulo à criação e ao fortalecimento de gigantes nacionais;
- Controle de preços;
- Atuações pesadas e frequentes no mercado de câmbio;
- Novo marco regulatório do setor petróleo e publicação da MP 579 (aquela do setor elétrico;
- Criatividade na contabilidade nacional; e
- Concessões mal feitas, fixando-se simultaneamente taxa de retorno e qualidade – é, óbvio, numa bivalência inatingível.

Deixe que o próprio Governo apresente a tal “nova matriz econômica”.

Em entrevista ao Valor em dezembro de 2012, Márcio Holland, secretário de Política Econômica, apresentou os pontos do novo tripé da seguinte forma: i) taxa de juro baixa; ii) taxa de câmbio competitiva; e iii) consolidação fiscal amigável ao investimento.

Sobre a taxa de juro, Holland destacou a queda de 5,25 pontos percentuais em 12 meses, num processo que permitiria aos agentes econômicos rever seus modelos de negócio e criar um ambiente favorável ao crescimento. Parecia fazer sentido.

O governo Dilma havia começado com taxa Selic de 10,75% ao ano, levara o juro básico num primeiro momento a 12% para combater a inflação e logo implementara afrouxamento monetário vigoroso, levando o juro ao piso histórico de 7,25% ao ano.

Não há mentiras nisso. Mas há uma nuance de interpretação.

Atingimos a mínima histórica para os juros simplesmente por uma janela de oportunidade criada pelo contexto internacional, com juros reais negativos em todo mundo, como resposta dos Bancos Centrais desenvolvidos à quebra da Lehman Brothers em setembro de 2008.

Não houve qualquer novo equilíbrio de taxa de juro.

A Selic já é superior àquela do início do Governo Dilma. E deve subir (muito) mais para combater a inflação em 2015.

Agora preciso falar em tom severo da tal taxa de câmbio competitiva.

A política cambial brasileira tem sido desastrosa. Simplesmente ignoramos o pressuposto do câmbio flutuante.

Primeiro, a tentativa do Governo era depreciar o real, para poder aumentar a competitividade das nossas exportações e estimular a indústria. Dá-lhe IOF e coisas parecidas.

Agora, o Banco Central usa o câmbio como instrumento de combate à inflação, deixando claro nas atas de suas reuniões que precisa do dólar a R$ 2,20 para manter a Selic no nível atual.

A turma de Alexandre Tombini vem sistematicamente vendendo dólares (de forma direta ou por meio de swaps cambiais) para impedir a inflação.

Com isso, reduz reservas internacionais num momento de farta liquidez global. Estamos queimando munição quando mais precisaríamos guardá-la.

Com isso, tornamo-nos cada vez mais frágeis às vésperas do início do ciclo de alta das taxas de juro pelo mundo. Quando efetivamente precisaremos vender dólares, estaremos com nível de reservas no limite. De novo, vai faltar dólar.

Para encerrar o ponto e combater em caráter definitivo a hipótese de taxa de câmbio competitiva, não há qualquer ganho de competitividade das exportações vindo da melhora dos fundamentos da economia brasileira.

A desvalorização do real nos últimos tempos é resultado exclusivo do elevado déficit externo e da falta de poupança pública.

A imagem abaixo resume o quão competitivas têm se tornado nossas exportações na comparação com outros emergentes:


Ficou para o final a questão fiscal. Não foi à toa. Aqui temos a cereja do bolo.

A política fiscal brasileira tem sido ultrajante, não havendo qualquer tipo de consolidação, muito menos amigável ao investimento. O governo tem, cada vez mais, ocupado o espaço do investimento privado, sem ele mesmo preencher adequadamente essa lacuna.

Na entrevista em questão, Márcio Holland foi categórico. “No ano que vem (2013), voltamos à meta de superávit cheia, sem desconto.” Ou seja, falávamos de um primário de 3,1% do PIB para 2013.

E o que aconteceu, de fato? O superávit primário do ano passado foi de 1,9% do PIB, mesmo com as receitas extraordinárias do campo de Libra e do Refis. Filtrando por esses elementos, teríamos um primário pífio de 0,9% do PIB.

Alguém poderia argumentar que o primário foi menor porque o próprio governo resolveu fazer investimentos, tendo notado ausência desse componente no setor privado. Isso já seria ruim, per se, dado o impacto de queda média da produtividade. Mas nem sequer é verdadeiro.

Tirando as estatais, o investimento público da União passou de R$ 59,4 bilhões em 2012 (equivalente a 1,35% do PIB) para R$ 63,2 bilhões em 2013 (1,31% do PIB).

Então, pergunta-se: a que consolidação fiscal se refere o governo?

Eu não tenho nada contra o Sr. Márcio Holland. Ao contrário. Eu gosto dele. Fui seu aluno no mestrado da FGV. Ele é certamente um sujeito de bem, trabalhador e bom economista. Mas o diagnóstico está completamente errado, beirando a dissimulação.

Qual o resultado da nova matriz econômica?

Há pouco tempo, o Brasil era destino certo do investidor estrangeiro. O queridinho entre os BRICs (grupo que reúne também Rússia, Índia e China).

Atraímos a Copa do Mundo, seremos sede das Olímpiadas. Em pouco tempo, ganharíamos posto da quinta maior economia do mundo, algo impensável antes.

Protagonizamos a capa da revista The Economist, talvez a mais importante do mundo sobre economia e finanças.

Em novembro de 2009, a conceituada revista britânica trouxe o Cristo Redentor em forma de foguete, desgarrando-se do morro do Corcovado e dirigindo-se a maiores altitudes. O Brasil teria decolado, com argumentos esmiuçados numa longa reportagem de 14 páginas.

A imagem era inspiradora:



Pouco tempo depois, como resultado da desastrosa “nova matriz econômica”, aquele conjunto de medidas adotada pelo governo brasileiro em resposta à crise de 2008, as coisas haviam mudado completamente.

Exatos quatro anos depois, a mesma The Economist, também em reportagem de capa de 14 páginas, questionava: o Brasil estragou tudo?

A imagem, desta vez, já não inspirava ninguém.


Bastaram quatro anos para destruirmos todo o otimismo.

A ideia de quinta maior economia do mundo foi abandonada, a presença entre os BRICs foi até mesmo questionada e especialistas apontam legado nulo dos grandes eventos esportivos.

Talvez você ainda esteja anestesiado pelo futebol da Copa do Mundo. Mas peço que saia do escopo esportivo por um minuto.

Veja, por exemplo, o que diz matéria da CNBC publicada no dia 26 de junho:

“Especialistas em mercados emergentes estão pessimistas em investir no Brasil, a despeito da Copa do Mundo. (…)

‘Não há potencial positivo algum neste Governo, mesmo se tudo der certo’, afirma Drausio Giacomelli, responsável por pesquisa de mercados emergentes do Deutsche Bank.

‘Não se trata de ganhar ou não a Copa. Falemos do que interessa: um Governo incapaz de entregar os anseios populares por educação, transporte e infraestrutura no geral. Eles podem entregar estádios, mas não o que realmente importa’, diz ele.

Giacomelli também critica a condução da política monetária na administração Dilma: ‘Eles fizeram tudo errado desde o começo. Colocaram-se na pior posição possível para um mercado emergente, de estagflação (baixo crescimento e alta inflação).”

A agência internacional de classificação de risco Standard and Poor’s já rebaixou o rating brasileiro, de forma que, na opinião da agência, há um maior risco de que o país dê um calote em sua dívida.

E a agência Moody’s acaba de alertar para a mesma possibilidade, caso o próximo governo não tome atitudes severas.

A situação certamente já não é boa. E deve piorar muito mais. A Economia é impiedosa. Se você comete erros de política econômica, não passa impune.

O economista Ricardo Amorim, aquele que comenta no programa Manhattan Connection, foi outro que recentemente alertou.

Em matéria com o economista, o site InfoMoney, citando Amorim, trouxe o seguinte: “ a inflação está alta e grávida. Os preços administrados terão de subir após as eleições porque os governos vêm represando todo tipo de tarifa pública há dois anos. A conta deverá ser parcelada porque, se subir tudo de uma vez, a inflação das tarifas pode chegar a 14% em 2015.”

A pergunta é: o que acontece a partir de agora?

A metáfora com a gravidez é clássica. Não existe inflação um pouco alta. Inflação necessariamente cresce. E deve crescer muito.

Marcio Garcia, professor de Economia da PUC-RJ, trouxe tese semelhante em resposta ao jornal Valor Econômico de 27 de junho: “A inflação não vai ficar parada nos 6,5%, há uma inflação represada de 1,5 ponto percentual; os [preços] monitorados vão ter que subir; o câmbio não pode ficar muito tempo nesse nível de R$ 2,20 porque o déficit em conta corrente continua crescendo e é elevado. Tudo isso vai colocar pressão na inflação. Se você não tiver um BC que leve a inflação de volta à meta, passamos por um outro regime. Um regime turco, argentino ou até venezuelano.”

A situação é mesmo grave.

Depois de represar preços por dois anos, o Governo precisará soltar as amarras em 2015. Somente esse movimento, supondo uma liberação única, deve colocar a inflação brasileira em 10% ao ano.

Mas temos riscos ainda maiores.

O Banco Central norte-americano deve começar a subir sua taxa básica de juro justamente em 2015. Isso vai causar um grande retorno de recursos para os EUA, com maior demanda por dólar.

Ou seja, a taxa de câmbio pode caminhar rapidamente para cima. O dólar não salta gradualmente quando se trata de valorizações.

Eu tenho um mestrado em câmbio e, se tem uma coisa que aprendi, é que a moeda norte-americana, quando se move para cima, o faz através de grandes saltos.

O dólar deve bater, com margem para algo ainda mais alto, R$ 2,50.

Essa é uma projeção conservadora e está bastante alinhada àquela prevista para 2015 pela mediana das estimativas dos economistas brasileiros, conforme o relatório Focus, levantamento feito pelo próprio Banco Central.

Temos dois problemas importantes derivados dessa subida de taxa de juro nos EUA.

O primeiro é a grande dificuldade para fechar nossas contas com o exterior. Lembre-se que estamos dependendo da conta de capitais para fechar o balanço – e observaremos justamente fuga de capitais. Pela terceira vez, faço o alerta: vai faltar dólar.

E o segundo relacionado ao reforço importante ao problema da inflação, através do famoso repasse cambial. A disparada do dólar significa aumento do preço dos produtos transacionados no mercado internacional, os chamados tradeables. Aos poucos, também os não tradeables, por uma questão de preços relativos, também vão reagindo. Em certo tempo, temos uma escalada generalizada dos índices de preços apenas por conta do efeito câmbio.

Peço a gentileza de prestar atenção nas seguintes variações: entre maio e junho do ano passado, o Ibovespa, nosso principal índice de 2013, caiu nada menos do que 15,12%. Em paralelo, o dólar disparou 10,69%. Em apenas dois meses.

Por que tamanha mudança? Simplesmente porque o Banco Central dos EUA, em maio de 2013, sinalizou que poderia, em breve, começar a reduzir seus estímulos à economia e subir suas taxas de juro.

Uma simples sinalização verbal foi suficiente para causar destruição de valor para as ações brasileiras e essa valorização do dólar. Imagine quando houver, de fato, aumento das taxas de juro nos EUA.

Um investidor norte-americano que estivesse comprado em ações brasileiras em maio do ano passado teria perdido 25% em apenas dois meses. Você acha mesmo que este sujeito vai ficar comprado em nossas ações quando o juro começar a subir lá fora?

Eu acho que não.

E toda essa disparada do dólar vai também impactar sobre a inflação.

Combinando o repasse integral das tarifas públicas represadas e a desvalorização esperada do câmbio, entendo que a inflação brasileira pode chegar a 12% ao ano, para uma meta de 4,5%.

Não há saída para uma inflação bem acima da meta. O Banco Central terá de subir a taxa Selic. E como a diferença entre a inflação projetada e a meta é grande, o movimento dos juros terá de ser expressivo.

Não haveria surpresa em vermos taxa Selic de 15% ao ano.

A implicação imediata de um juro básico desse tamanho é óbvia: recessão.

Imagino que você entenda esse conceito.

Se o Brasil cresce 1% ao ano com juro básico de 11% ao ano, quanto vai crescer com a Selic a 15%?

Falamos de estagnação da economia, queda dos salários, aumento dramático do desemprego, esgotamento do crédito, queda vertiginosa do preços dos imóveis (muito sensíveis às taxas de juro) e aumento do endividamento das famílias.

Tudo isso num ambiente de inflação alta.

Já temos: o menor crescimento econômico desde o Governo Collor, a menor criação de postos de trabalho para um mês de maio desde 1992, o pior resultado das contas públicas para um mês de maio de toda a série histórica e o maior déficit em conta corrente para um mês de maio em toda a série histórica do Banco Central.

E teremos: a maior taxa Selic desde 2006 e descumprimento da meta de inflação, com a maior variação de preços desde 2002.

Rasgamos o que foi construído em 1994 e aperfeiçoado em 1999, sob o pretexto de implementação de uma nova matriz econômica, heterodoxa.

Temos um único resultado prático: voltamos a 1993.

Se, metaforicamente, nasce um novo País em 1994, com a estabilização da economia, podemos dizer que a nova matriz econômica e suas consequências representam o falecimento desse Brasil.

Morremos aos 20 anos de idade, de forma prematura.

Isso é coisa da Venezuela… Mas, no Brasil? É possível?

Eu conheço amigos, colegas e familiares ainda reticentes em aceitar essa ideia. Talvez você esteja com postura semelhante também.

É o que os psicólogos chamam de “normalcy bias”, uma espécie de estado mental em que os seres humanos entram quando deparam-se com um desastre ou uma grande crise. As pessoas simplesmente subestimam tanto a probabilidade de uma catástrofe quanto seus efeitos.

Alguns chegam a reconhecer o problema, mas afirmam: “uma crise dessas proporções é impossível. Pode ser coisa de Venezuela, Argentina… Mas no Brasil, não.”

Pois bem. Veja o que aconteceu com a Grã-Bretanha nos anos 70.

Embora muitas pessoas não saibam, a libra esterlina foi a reserva de valor clássica por cerca de 200 anos. A moeda era a grande referência internacional até o final da Segunda Guerra.

A partir de então, quando a Europa se recompunha com o Plano Marshall, os britânicos passaram a perseguir uma agenda social-nacionalista, com o governo tomando conta da maior parte das indústrias, sob a alegação de maior distribuição de renda.

Em pouco tempo, o país basicamente quebrou.

Uma marca emblemática ocorre em 1967, quando o Partido Trabalhista decide por uma desvalorização da moeda de 14%, de maneira súbita. Isso, supostamente, teria impacto positivo no endividamento das famílias.

O desdobramento, porém, foi justamente o empobrecimento da população, procedido por rápido aumento da inflação, culminando no famoso Inverno do Descontentamento na década de 70.

Para conter a inflação, salários foram congelados, greves aconteciam diariamente nos mais variados setores, até mesmo em postos de saúde. A situação chegou a ser tão grave que alguns hospitais passaram a atender somente casos de pacientes cujo estado era de emergência.

Em 1975, a inflação britânica subiu a 26,9%… em apenas um ano!

Em 1974, o governo local estabelecera a chamada “semana de três dias”, em que o uso de energia elétrica nos negócios foi limitado a três dias por semana, sem permissão de hora-extra. As televisões tinham de interromper suas transmissões às 22h30, como forma de economizar energia.

Imagine isso. A Inglaterra foi uma superpotência global por 150 anos. Quando começaram a permitir um pouco de inflação a partir da desvalorização de sua moeda, as coisas simplesmente colapsaram.

A foto abaixo evidencia o tamanho do problema. Isto é Londres, com lixo empilhado na praça porque não havia dinheiro suficiente para pagar aos lixeiros um salário minimamente justo:


Talvez você ainda esteja cético sobre a possibilidade dessas coisas acontecerem aqui e agora. Mas eu posso lhes garantir: já estão acontecendo!

Com efeito, a inflação brasileira já estaria acima da meta e beirando os 10% ao ano caso as tarifas de energia e os preços da gasolina não estivessem sendo controlados.

Outro exemplo: no começo dos anos 90, um certo país europeu resolveu brincar de conviver com um pouco mais de inflação e com um governo gastador. Rapidamente, a poupança pública acabou. Qual foi o próximo passo do governo? Simples! Passaram a contar com a poupança da população, limitando o acesso das pessoas às suas contas nos bancos públicos.

E, obviamente, para financiar suas operações, o tal país começou a imprimir moeda, em ritmo frenético. Sem dinheiro, a infraestrutura local caia em pedaços e a inflação galopava, mesmo com tentativas de controle de preços.

A esta altura, o desemprego batia 30%.

Já era suficientemente ruim, mas ficou pior, muito pior.

Um brilhante economia teve a genial ideia de exigir das empresas o preenchimento de uma série de documentos governamentais a cada vez que seus preços fossem reajustados para cima. O racional era de que isso retardaria o processo inflacionário, pois parte do tempo empresarial seria consumido justamente para preencher os formulários.

Qual foi o resultado?

Obviamente, mais inflação.

Para preencher os documentos, as firmas viram-se obrigadas a contratar mais funcionários. E como o processo era bastante demorado, a resposta imediata foi começar a aumentar preços de produtos básicos em velocidade ainda maior, de forma que precisariam preencher os formulários apenas uma vez.

A inflação diária beirava 100%. Sim, preços dobrando da noite para o dia, no mais perfeito caos econômico.

A resposta governamental foi a mais típica dos planos econômicos adotados em períodos de hiperinflação: a criação de uma nova moeda, removendo seis zeros da anterior.

De novo, não funcionou.

Veja o tamanho do percentual abaixo:

5.000.000.000.000.000%.

Não é brincadeira. Esse foi o percentual (cinco quatrilhões) de aumento dos preços desse país entre outubro de 1993 e janeiro de 1995.

As pessoas não podiam comprar comida, simplesmente estocavam ou passavam fome. Postos de gasolina foram fechados, o número de ônibus em operação caiu 60%, apagões eram generalizados e recorrentes, e as pessoas foram proibidas de aceitar cheque.

Enquanto isso, o discurso do governo era de que a inflação acontecia por “sanções sem justificativa contra a população e o Estado.” Incrivelmente, nunca há culpados na gestão de política econômica.

Isso aconteceu, de fato, e nessas exatas proporções, na Iugoslávia. E, em menor medida, tivemos situações semelhantes em Islândia e Grécia, onde o estrago só não foi maior por conta dos planos de resgate financeiro internacional.

Esse é o caminho natural e devidamente documentado daqueles que optam pela via da tolerância à inflação e do gasto público irresponsável.

Não precisamos ir muito longe para ter novos exemplos. Ao nosso lado, temos as referências trágicas de Venezuela e Argentina, que sucumbem ao caos econômico, financeiro e social por conta de medidas inadequadas de política econômica.

Mais do que isso, não precisamos sequer cruzar as fronteiras, basta recorrer ao nosso próprio passado. Anteriormente ao Plano Real, a desconfiança com nossa moeda era tal que o poder de compra do trabalhador caia pela metade durante um único mês e o empresário não pensava em investir, sem visibilidade para o futuro, com um novo plano econômico por ano.

Entre 1990 e 1994, o crescimento médio do PIB foi de 1,3% ao ano, enquanto a inflação anual foi de 1.210%. Isso depois de já termos vindo da famosa Década Perdida. Do período de 1986 a 1991, tivemos cinco choques (Plano Cruzado, Bresser, Verão, Collor I e Collor II).

Não há como existir consumo nem investimento em ambiente de tamanha desconfiança sobre a moeda e incerteza sobre o futuro.

Foram várias tentativas de congelamento e tabelamento de preços, com resultados trágicos. A qualidade dos produtos era péssima e vendiam-se, inclusive, latas vazias nas prateleiras dos supermercados – era o melhor que se podia oferecer àquele preço tabelado.

Problemas de abastecimento e falta de produtos eram recorrentes, o que obviamente resultava, ao final, na ruptura com os congelamentos de preços. Dá-lhe volta da inflação, que ultrapassava 80% ao mês.

A imagem abaixo é representativa do tamanho do problema. Simplesmente, faltavam produtos nas prateleiras:


Talvez o ponto máximo da adversidade seja a restrição do acesso à poupança por meio do Plano Collor.

Lançado no mesmo dia da posse do presidente Collor, o novo plano reintroduziu o cruzeiro como padrão monetário e estabeleceu, mais uma vez, congelamento do preço de bens e serviços. Novos tributos foram criados, afetando ainda mais o poder de compra e a confiança dos empresários.

Mas foi no âmbito financeiro que se deu a maior mudança: o sequestro de liquidez. Sem dúvida, foi a medida mais traumática. Todas as aplicações financeiras superiores a NCr$ 50.000 foram bloqueadas por um período de 18 meses.

O cidadão simplesmente não poderia acessar seu próprio dinheiro. O Plano colocou a economia em recessão e não foi capaz de conter a inflação de forma sustentada.

Tenho uma experiência pessoal marcante e extremamente negativa nesse sentido. Às vésperas do Plano Collor, meu pai havia comprado um apartamento. Comprometia-se a pagar as parcelas restantes nos meses seguintes. O acesso ao dinheiro foi bloqueado e simplesmente perdemos o apartamento. Nossa família precisou de anos para se recuperar do golpe.

Não há nada mais assustador do que ter seu dinheiro bloqueado. Governos desesperados tomam medidas desesperadas.

Os maiores experts estão agindo

Luis Stuhlberger, gestor do fundo Verde, é o maior – e possivelmente o melhor – investidor brasileiro. Ele tem um histórico impressionante e secular de bons resultados. Stuhlberger está pessimista com os mercados brasileiros a curto prazo e tem comprado dólares. O gestor escreveu o seguinte em carta recente a seus cotistas:

“Continuamos acreditando na tese de depreciação do real (…). Dá para ficar otimista com o Brasil no médio prazo pelas suas potencialidades, mas aparentemente teremos de passar por uma turbulenta arrumação de casa no caminho. Apertem os cintos!” (grifo meu)

Jim Rogers, um dos maiores investidores do mundo, especialista em mercados de commodities (como o brasileiro) e fundador do Quantum Fund junto a George Soros, concedeu entrevista há poucos meses à Exame. Perguntado se o Brasil ainda é um bom lugar para investir, respondeu, categoricamente, assim:

“Não. O governo brasileiro está cometendo erros. Deveria ser um lugar maravilhoso para investir, mas seu governo segue cometendo erros, colocando tarifas especiais contra alguns de seus melhores parceiros, controle cambial e por aí vai. O Brasil segue fazendo coisas que restringem a economia. Por isso, não estou investindo e não quero investir no Brasil, enquanto tiverem um governo anti-capitalismo ou anti-eficiência. Enquanto tiverem um governo que não entenda a economia eu não quero investir aí.

Eu prefiro investir na Rússia. A Rússia não está tomando medidas para desencorajar a eficiência e os investimentos, e o Brasil está. A Rússia tem uma moeda flutuante, o Brasil faz controle cambial.”

Mark Mobius, da Franklin Templeton, é um dos grandes conhecedores de mercados emergentes. Em março deste ano, matéria do Wall Street Journal trouxe o seguinte comentário do gestor:

“O Brasil corre o risco de entrar em recessão caso não seja capaz de corrigir pressões que incluem gastos públicos elevados, endividamento dos consumidores e racionamento de energia. A Templeton está menos entusiasmada com as ações de grandes empresas brasileiras.”

A lista de grandes investidores históricos ficando pessimistas com o Brasil é grande.

Os maiores experts estão agindo antecipadamente. Eles sabem que há sérios problemas com a economia nacional.

A boa notícia é que você pode fazer o mesmo.

Não importa o que aconteça, eu tenho uma série de maneiras para você proteger seu patrimônio – e seguindo cada um dos passos você pode duplicar ou até mesmo triplicar sua poupança nos próximos anos.

O que você deve fazer?

Bem, tenho dedicado minha pesquisa somente a isso nos últimos meses. Encontrei um número surpreendente de coisas simples que você pode fazer para blindar seu dinheiro e até mesmo encher um pouco mais o bolso quando essa crise estourar.

Aqui está minha recomendação…

O que você pode fazer para proteger a si e a sua família
E ainda realmente ganhar muito dinheiro

Então, o que você pode fazer para proteger seu patrimônio e, eventualmente, ainda aumentar sua poupança nos próximos anos?

Bom, há uma série de passos financeiros simples e rentáveis que eu acredito que você possa e deva adotar, imediatamente.

E aqui há algo importante a se manter em mente: falo estritamente de suas finanças. Seu bem-estar, sua segurança pessoal e de sua família, infelizmente depende das circunstâncias. Apenas recomendo preparo para interrupções súbitas de energia e água, além do aumento de roubos, furtos, arrastões e sequestros. Vejo uma probabilidade significativa de que essas coisas aconteçam nos próximos dois anos.

Lembre-se: o governo não poderá ajudar no momento da crise. Ao contrário, ele estará focado em salvar a si mesmo, e poderá aumentar impostos, congelar salários e dificultar seu acesso à poupança.

De minha parte, há uma única alçada em que eu posso realmente ajudá-lo e ela restringe-se ao escopo de proteger seu patrimônio nos próximos anos e buscar soluções criativas e seguras para, possivelmente, ainda incrementá-lo.

Cada um dos passos aqui recomendados são possíveis e simples de implementar – ao menos por enquanto. Uma grande demora para colocá-los em prática, porém, vai torná-los mais caros, difíceis e até mesmo impossíveis de se concretizar.

Caso você adote esses movimentos agora, não somente estará mais preparado para lidar com a crise quando ela vier, como, no meu entendimento, também poderá fazer um pouco mais de dinheiro à frente.

E se eu estiver errado?

Aqui entra a melhor parte…Nesse caso, você também será capaz de aferir grandes ganhos.

Mesmo se o resultado desta crise projetada for apenas uma inflação moderada, você ainda estará preparado para se sair muito, muito bem.

Seguem os passos específicos que você deve tomar imediatamente:

PASSO #1: APLIQUE PARTE DE SEUS INVESTIMENTOS PARA ALÉM DO ALCANCE DO GOVERNO BRASILEIRO (isso é perfeitamente legal, e mais simples do que você imagina)

Eu sei que você provavelmente ainda não acredita quando eu digo que o Governo brasileiro adotará uma série de medidas para salvar a si mesmo, coisas inimagináveis neste momento.

Mas lembre-se: Governos desesperados tomarão atitudes desesperadas. Não nos faltam exemplos históricos disso, não é mesmo?

Acho possível que tenhamos nacionalização de certos planos de previdência, aumento de impostos sobre movimentação financeira e ganhos de capital e empecilhos adicionais para se mandar dinheiro ao exterior.

Na hipótese mais radical, até mesmo restrições temporárias de acesso à poupança podem acontecem.

Por isso, eu recomendo fortemente: parte de seus investimentos deve ser feita fora do Brasil.

Isso é mais seguro e diminui o acesso do Governo a sua poupança.

Por favor, não me leve a mal. Mas quanto menos o Governo souber de seus investimentos, melhor. Trata-se de uma questão de proteção e de respeito às liberdades individuais.

Em reforço, lembre-se da máxima de não colocar todos os ovos na mesma cesta. É fundamental diversificar entre algumas moedas.

Há formas simples e rentáveis de você investir para além dos domínios do governo brasileiro, de forma plenamente legal.

Eu mesmo estou pessoalmente investindo neste momento uma parcela significativa de meu portfólio em um desses ativos. E minha ideia é mantê-lo em minha carteira por muito tempo. Independentemente do que vier a acontecer, sei que terei uma bela porção de dinheiro longe das garras do Planalto brasileiro.

Para não me tornar prolixo, não vou lhe contar exatamente o que estou fazendo nesta carta, mas vou explicar em detalhes num relatório, de título: “Como ganhar dinheiro com este modelo de crescimento econômico?”

Nessa peça, faço uma contextualização do modelo e mostro como precisamos de um novo ciclo de crescimento. Identifico as melhores oportunidades de investimento nesse quadro e recomendo formas explícitas de diversificar entre moedas, além de enaltecer estratégias rentáveis de aplicar em dólar.

Não se preocupe caso você não tenha familiaridade com investimentos internacionais. Tenho esmiuçado um guia sobre como investir no exterior, a que os assinantes da Empiricus têm acesso imediato.

Será um prazer dar-lhe acesso a esse conteúdo, que eu considero fundamental.

Além disso, eu gostaria de enviar-lhe informações muito relevantes sobre…

PASSO #2: COMO SE PROTEGER DA INFLAÇÃO?

Estou falando aqui de comprar o quanto você puder de proteção contra a inflação. Resgato aqui o fato estilizado: inflação é como uma gravidez, inevitavelmente cresce.

Você precisa estar protegido da esperada escalada da inflação. Caso contrário, seu salário e seus investimentos vão ser corroídos pela disparada dos preços, reduzindo fortemente o poder de compra da sua família.

Ganhos acima da inflação. É isso que interessa ao trabalhador e ao investidor. E é com esse tipo de recomendação de investimento que estou comprometido.

Você pode ter retornos reais (acima da inflação) através de investimentos em renda fixa, câmbio e ações. Há boas aplicações nesse escopo. E há ótimas aplicações nesse escopo.

Dediquei tudo o que eu sei sobre isso para montar um relatório com as ótimas aplicações para se proteger e ganhar da inflação. No documento chamado “O problema da inflação”, denuncio a raiz da inflação brasileira, proponho soluções para a questão e aponto os melhores investimentos para ganhar do dragão.

Eu também gostaria de dar-lhe acesso a esse valioso conteúdo. Vou mostrar exatamente como num instante.

Antes, deixe-me falar sobre o terceiro passo a ser seguido agora:

PASSO#3: CUIDADO COM AÇÕES DE ESTATAIS (E COM O SEU FGTS)

Ações de empresas estatais são tradicionalmente complicadas. Isso porque, em várias situações, a empresa é usada como instrumento para se fazer política social. A prática contraria o interesse dos acionistas, interessados em ver a maximização de valor para a firma e não para o setor público.

Como essas coisas, por vezes, entram em conflito, comprar estatais já é normalmente um pouco mais desafiador.

Mas o que vem acontecendo com o caso brasileiro é gritante. O atual Governo simplesmente destruiu a Petrobras, impedindo reajustes de preços para conter a inflação e forçando pesados investimentos para explorar o pré-sal.

Petrobras hoje tem a maior dívida corporativa do mundo e, embora sua presidente negue, deve ter de pedir mais dinheiro ao mercado em breve.

Isso é particularmente importante. Primeiro pois se trata de um grande patrimônio nacional, que já figurou entre as maiores empresas do mundo e perdeu essa condição.

Depois porque milhares de brasileiros possuem ações da companhia e, ainda pior, uma infinidade de pessoas tem seu FGTS, que seria um poupança segura e de longo prazo, em papéis de Petrobras.

A poupança de milhares de brasileiros foi castigada por uma prática nefasta e anti-mercado.

Sabendo da importância do tema, encomendei a nosso analista de Petrobras uma pesquisa profunda. Ele preparou um longo e detalhado relatório com o histórico dos acontecimentos sobre a companhia, concluindo com o que fazer com as ações da empresa.

Entendo que este seja o melhor conteúdo já produzido sobre Petrobras em toda a história.

E como se não fosse suficiente, o mesmo relatório traz ainda a única ação de empresa estatal em que vale a pena investir.

Não tenho dúvida de que se trata de material extremamente útil para cada cidadão brasileiro.

Vamos ao penúltimo passo, tão ou até mesmo mais importante quanto os três iniciais…

PASSO#4: APRENDA O SEGREDO DOS 100%

Se você gostaria de ter a oportunidade de fazer muito dinheiro durante a próxima crise, uma forma certa de fazer isso é aprender as imbricações de uma estratégia de investimento pouco comum. Essa fórmula tem produzido uma verdadeira fortuna para alguns investidores.

A Empiricus já tem recomendado essa estratégia de maneira muito bem sucedida a alguns de seus principais clientes, todos amplamente satisfeitos.

E veja: não estamos falando de ações aqui. Você não precisa ter uma única ação sequer para embarcar nessa estratégia. Também não há relação com posições “short” (vendidas) de ações.

De forma simples e direta, é uma maneira de se extrair renda do mercado com um perfil seguro, com ganhos que podem chegar a 100%, sem possuir ou mesmo tocar uma ação.

Faço uma ressalva: embora a estratégia seja extremamente segura e envolva uma entrada de caixa inicial, sob determinadas circunstâncias, haverá situações em que você terá de comprar a ação subjacente a um preço menos favorável do que as condições de mercado correntes. Portanto, por favor entenda: há risco envolvido e provavelmente a estratégia não servirá para todo mundo.

Mas se trata, indubitavelmente, de uma prática robusta, em especial nos momentos de maior incerteza e stress financeiro. Uma vez que você a absorva e compreenda seu funcionamento, suspeito que nunca mais queira investir sem ela novamente.

É por isso que recebe o nome de segredo dos 100%.

A estratégia tem sido a forma com que uma porção de clientes da Empiricus vem apresentando ganhos formidáveis, mesmo em tempos difíceis para os mercados. E, em momentos ainda mais negativos, como eu espero para os próximos dois anos, essa será uma prática incrivelmente rentável e lucrativa.

Tudo o que você precisa saber sobre isso está num vídeo gravado pelo meu sócio Rodolfo Amstalden, de título: “O Segredo dos 100% – A forma mais simples de fazer dinheiro quando os mercados estão muito arriscados”.

Esta aula explica exatamente como funciona a estratégia. Com isso, você poderá decidir se ela está adequada a seu perfil, além de mostrar exatamente como tirar proveito, começando imediatamente.

Finalmente, chegamos ao último passo. Depois disso, falarei exatamente como ter acesso a esse conteúdo indispensável àqueles que querem ganhar dinheiro de verdade quando a próxima crise chegar…

PASSO#5: CERTIFIQUE-SE DE QUE VOCÊ DETÉM O ATIVO QUE PODERÁ SALVAR VOCÊ E SUA FAMÍLIA, NÃO IMPORTA O QUÃO RUIM A SITUAÇÃO POSSA FICAR

Não há exatamente como precisar o quão ruim a situação pode ficar.

Eu realmente acredito em escalada da inflação, desabastecimento de água e energia, grande desemprego e intensas manifestações sociais, mesmo que por alguns meses apenas.

A boa notícia é que há um ativo que você pode comprar, altamente disponível no Brasil, que pode ajudá-lo a proteger seu patrimônio e de sua família do caos. E mais: marca o posicionamento adequado para fazer até mesmo uma fortuna em alguns anos.

Não estou falando de títulos públicos, títulos privados, uma moeda ou metais preciosos. Obviamente, também não tem nada a ver com o mercado acionário.

O que estou falando aqui é um ativo muito poderoso que famílias abastadas têm usado por séculos para blindar seu patrimônio, preservar e ainda aumentar suas fortunas.

Veja o que aconteceu, por exemplo, com o índice global que mede o desempenho dessa classe de ativos entre 1991 e 2009, batendo a principal referência de ações nos EUA em 430% no período.

E o melhor, sem volatilidade, conforme mostra o gráfico abaixo:


A respeito desse ativo, o famoso investidor multimilionário Barton Biggs certa vez escreveu: “ele protege tanto sua riqueza quanto sua própria vida.” É algo realmente à prova de bala.

Durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, quando milhares de famílias perderam a totalidade de seu patrimônio para a inflação ou para a atuação do governo, esse foi um dos poucos ativos que permitiu às pessoas preservarem e até aumentarem sua riqueza.

Grandes investidores em todo mundo têm exposição relevante a esse tipo de ativo, alguns deles inclusive aumentando suas posses nos últimos tempos. Nos EUA, casos clássicos são Bill Gates, Sam Walton (do Wal-Mart), Charles Schwab, a família Ford, entre outros. No Brasil, vários exemplos também como Antônio Ermírio de Moraes, Lírio Parisotto, Mário Celso Lopes, Blairo Maggi.

Como já mencionei, você pode facilmente entrar para essa classe hoje. Há uma gama de oportunidades na área e de forma bastante barata.

Eu escrevi um relatório completo sobre isso, de nome: “O ativo mais valioso do mundo em tempos de crise”.

Há várias formas de se fazer esse investimento e eu vou mostrar exatamente como. Isso poderá salvar você e sua família caso as coisas fiquem realmente ruins.

Não gostaria de falar mais sobre isso aqui nesta carta. A verdade é que quanto menos pessoas souberem sobre este investimento, melhor.

Então, como você pode começar agora e de forma prática a adotar cada um desses passos?

Veja, minha empresa, a Empiricus Research, faz pesquisa econômica e financeira.

Nós temos uma equipe de 15 pessoas e nosso principal objetivo é encontrar investimentos seguros e rentáveis. Ideias que você provavelmente não vai ouvir de mais ninguém.

Desde que começamos nesse negócio, ajudamos cidadãos brasileiros, pessoas-comuns e investidores a se proteger e a ganhar bastante dinheiro.

Márcio T., do Rio de Janeiro, recentemente nos escreveu dizendo:

“Amigos, confesso que sou um sujeito orgulhoso, mas preciso agradecê-los pelo que proporcionaram na minha vida. Comecei a ler a Empiricus dois anos atrás. Coincidência ou não, meu patrimônio passou de R$ 150 mil para R$ 323 mil nesse período.”

De São Paulo, Daniela S. enviou email assim:

“Peço que continuem assim.”

Joel C. entrou em contato conosco do Ceará:

“Realizei o sonho da minha esposa de comprar um apartamento de frente para o mar. Com a ajuda de vocês, vou atrás de um barco. Minha esposa já autorizou a chamá-lo de Empiricus!”

Lá de Minas, veio uma mensagem inusitada e carinhosa da Valdete A.:

“Se não tivesse que comer quentinho, eu juro que mandava uma caixa de pão-de-queijo para vocês. Antecipei minha aposentadoria graças ao sucesso das recomendações que vocês me deram. Isso não tem preço, gente.”

Não há nada que me deixe mais feliz do que este tipo de mensagem.

Mas, em contrapartida, preciso confessar: neste exato momento, estou verdadeiramente preocupado com nossos leitores e com muitos cidadãos brasileiros, trabalhadores honestos, que serão pegos de total surpresa quando da chegada da inevitável próxima crise.

É por isso que escrevi esta carta. E é por isso que eu gostaria de enviar-lhe todos os detalhes sobre exatamente como as coisas vão se dar, cada passo exato para você proteger suas economias e prosperar na crise.

Você pode ficar parado esperando os problemas chegarem, vendo seu patrimônio diminuir de maneira súbita e irreparável. Ou tomar as rédeas para si, protegendo ativamente seu destino financeiro.

Por favor, ao menos passe os olhos no trabalho seríssimo que eu desenvolvi. Tenho convicção de que você terá toda a informação necessária à sua disposição.

O mais interessante é que você pode olhar minha pesquisa e receber tudo que foi mencionado aqui, sem nenhum tipo de risco ou de obrigação.

Simplesmente deixe-me saber se você gostaria de experimentar a assinatura de meus relatórios quinzenais, através da série chamada Criando Riqueza – O Fim do Brasil. Em caso positivo, você terá acesso imediato a:


Além disso tudo, a cada 15 dias, eu vou lhe enviar um novo relatório, sempre perseguindo as melhores ideias de investimento no atual contexto. Vou mantê-lo sempre atualizado sobre a formação e os desdobramentos dessa crise financeira, mostrando formas pouco originais de ganhar dinheiro.

Para que não haja nenhuma lacuna nesse processo, toda semana enviaremos, somente a nossos clientes pagantes, um vídeo com comentários e perspectivas de investimentos para os próximos meses, apresentado por mim e pelo meu sócio Rodolfo Amstalden.

Então, quanto custaria todo esse conteúdo? Por quanto você pode começar?

Pois bem…a assinatura de um ano da série custa apenas R$ 238,80, podendo ser dividida em 12 parcelas mensais de R$ 19,90. Pagando à vista, sai por R$ 191,04.

Mas, neste momento, você pode experimentar a assinatura anual por uma oferta muito especial, basicamente por metade do preço. O preço promocional é de R$ 118,80 pela assinatura anual, em 12 parcelas mensais de R$ 9,90 apenas. À vista, o preço é de R$ 99,79 por um ano inteiro.

Por que tão barato?

Em termos práticos, desenhamos um preço que permita que você simplesmente experimente nosso produto, para ver se ele realmente se adequa à sua pretensão.

Além disso, quero que o conteúdo seja acessível a milhares de pessoas, de modo a potencializar seu poder econômico. Estou convicto de que, em conjunto, os leitores que acompanharem a série e aplicarem suas ideias protegerão milhares de reais em patrimônio, e ganharão outros milhões. Muito mais do que eu faria sozinho.

É por isso que, através dessa carta, nós estamos oferecendo a assinatura tão barata.

Fique à vontade para ponderar essa oferta, e você verá que não há risco algum. Isso porque, durante os primeiros 30 dias, caso você leia meu material e, por alguma razão, entenda que ele não atende a seu perfil, você será reembolsado em 90% de seu custo. Cobramos 10% de taxa apenas para cobrir nossos custos operacionais.

Em outras palavras, ao concordar com os termos aqui apresentados, você estará apenas aceitando experimentar meu trabalho para ver se gosta.

Eu espero que você considere minha oferta seriamente. Do fundo do coração, tenho convicção de que esta será uma das melhores decisões financeiras que você tomará em toda sua vida.

Para começar, simplesmente clique no link abaixo, que vai levá-lo a uma página para confirmar sua assinatura. Sua ordem será processada imediatamente, e você terá acesso a todo esse meu trabalho na mesma hora.

Um forte abraço,

Felipe Miranda
Sócio-fundador da Empiricus Research

Julho de 2014